Página Inicial
Acervo Iconográfico III
Heráldica e Vexilologia

LIVROS
Padre Sarmento de Benevides: poder e política nos sertões de Mombaça (1853-1867)
Mombaça: Terra de Maria Pereira
APOIO CULTURAL
LS Combustíveis
Centro Comercial Pedro Tomé
Premium Hotel
MEMBRO
ASBRAP - Associação Brasileira de Pesquisadores de História e Genealogia
ACE - Associação Cearense dos Escritores
ANPUH - Associação Nacional de História
CRA-Ce - Conselho Regional de Administração do Ceará
Clique para ouvir o depoimento de Fernando Cruz à rádio Assembléia FM 96,7 sobre a história político-administrativa de Mombaça, em 16/03/2009.

Voltar para a página anterior

Untitled Document
 

ARTIGOS

DAGMAR ADERALDO CHAVES

 


O acadêmico Dagmar Aderaldo de Araújo Chaves (1908-2002) na qualidade de presidente do XV Congresso Mundial da Société Internationale de Chirurgie Orthopédique et de Traumatologie (SICOT), em 1981, no Rio de Janeiro-RJ.

Nísia Nóbrega*

Publicado em 07/04/2022.

A Academia Carioca de Letras inaugura, solenemente, o retrato do seu benemérito ex-presidente, professor Dagmar Chaves.

Aprendi na infância que “Frei Exemplo é o melhor pregador“, e a vida sempre me confirma essa verdade. Publicar a vida dos homens que souberam vencer, sem jamais negarem a dignidade das suas origens, parece-me importante. Principalmente neste momento em que a Ciência preside o alvorecer da Modernidade, a exemplar figura do professor Dagmar Aderaldo Chaves, cientista internacionalmente consagrado, merece, subir ao “podium”, sob as verdes luzes da ribalta ecológica. Que o possam ser os nossos jovens que se dizem descrentes, ansiosos de abandonarem o próprio País, que, por usarem óculos emprestados, não conseguem descobrir e amar. Como a maioria dos nossos heróis, Dagmar Chaves teve berço modesto e honrado. Com o seu pai, um homem de bem, aprendeu a plantar e colher para o sustento da casa. Também, com o pai, conduziu o pequeno rebanho de cabras que ordenhavam cada dia. Pelas mãos do pai, Laurindo de Araújo Chaves, foi levado à lgreja e, em breve, como “coroinha“ ajudava a missa na matriz, dedicada à Nossa Senhora da Glória. Até hoje relembra, emocionado, as vezes em que foi sineiro, aprendendo; como chamar os fiéis com repiques ou dobrados. A encantadora cidade de Mombaça, no sertão cearense, onde nasceu e viveu os anos infantis, está sempre presente no espírito de Dagmar Chaves. Como esquecer os banhos de rio, tomados nos poços abertos, sempre cobertos com palmas de coqueiros? Afluente importante do rio Jaguaribe, o Banabuiú preside a vida de Mombaça. Com cerca de 300 km, em secas e enchentes periódicas, ensina aos seus meninos, desde muito cedo, o sentido transitório das angústias e esperanças, enrijecendo-lhes o caráter. O sertanejo desconhece o suicídio, talvez pelas lições da Mãe Natureza, senhora absoluta das suas vidas, seu berço e sepultura. Até as maravilhosas flores dos cactus, devem ser respeitosamente colhidas. Não há menino do sertão que não tenha aprendido sua lição de espinhos... Assim como no Oriente o chão é forrado de tapetes preciosos, para a passagem dos grandes senhores, em Mombaça a Mãe Natureza estendeu barras de micaxistos, rochas negras e brilhantes, no chão das águas do rio e grande Senhor Banabuiú, honrando-lhe a passagem.

Duas figuras femininas presidiram a infância de Dagmar Chaves: sua santa mãe, Dona Etelvina, com quem aprendeu a rezar, e sua primeira professora, Ananias do Amaral Militão, que lhe descobriu a extraordinária inteligência e tanto o estimulou. A essas admiráveis mulheres veio muito mais tarde unir-se a sua esposa, a belíssima e tão dedicada senhora Rosa Perez de importante família espanhola, com quem há 58 anos comparte todos os momentos da vida. O lar, com dez filhos, era bem difícil de ser dirigido pelos pais do Dagmar Chaves. A figura do seu tio e padrinho Pedro Laurentino de Araúo Chaves foi providencial, custeando-lhe os estudos em Fortaleza e no Rio de Janeiro.

Dagmar Aderaldo Chaves foi sempre o primeiro aluno, em todos os cursos que devotadamente realizou, no Brasil e no exterior. Na França, com grande brilho, especializou-se em Ortopedia com o professor Dr. Merle D'Aubigné, exponencial figura da Medicina europeia, passando a ser, por muito tempo, seu assistente. Ainda estava em Paris, quando recebeu a notícia do vitorioso ingresso, após renhida pugna, na Academia Nacional de Medicina, do Brasil, em 1954. O professor Dagmar Chaves foi Catedrático de Clínica Ortopédica e Traumatológica, por Concurso de Títulos e Provas, em quatro importantes Faculdades: de Ciências Médicas da U.E.R.J., Faculdade Federal de Medicina, U.F.R.J., Faculdade Fluminense de Medicina e Faculdade de Vassouras.

Dois importantes e ocasionais encontros com a Literatura ficaram indeléveis em Dagmar Chaves: o primeiro no Ceará, ao descobrir as literaturas Portuguesa e Brasileira, na biblioteca do tabelião Augusto Tavares; o segundo em alto mar, quando, num navio da ITA, para o Rio, teve como companheiros: Olegário Mariano, Guilherme de Almeida e Carlos Cavaco. Sob a música do vento e das vagas, todas aquelas noites de espuma, desabrocharam em versos. Desde então, o grande homem da Ciência tornou-se amoroso da Literatura. A trágica morte do seu único filho: Antônio Fernando, já professor de Medicina, levou o casal Rosinha e Dagmar Chaves a sublimar o insuportável sofrimento em Beleza e Religião: dedicando-se a tantas Academias literárias, pugnando pela canonização do Beato Anchieta, o Santo do Brasil. Que exemplar maneira de superação da humana angústia! Foi sempre com muito sacrifício que o Mestre Dagmar Chaves se fez vitorioso, sendo hoje Membro Honorário das principais Academias e Sociedades Médicas do mundo. Citaremos, entre tantas importantes publicações, aplaudidas aqui e no exterior, sua obra, em dois alentados volumes: “Lições e Clínica ortopédica”. Não há dúvida que Dagmar Chaves aprendeu, na infância cearense, “com distinção de louvor”, como sempre, a vencer secas e espinhos, navegando enchentes, sempre que almejava uma flor. Creio que a sua Rosa Perez, estrela-maior de ternura e alegria, é a única rosa que conquistou mansamente, como Prêmio de Deus, eterno Amor.

(Publicado no Jornal do Commercio, Rio de Janeiro-RJ, Ano 165, nº 244, de 28 de julho de 1992). 


Nísia Nóbrega (1921-2000).

*Nísia Nóbrega. Educadora, escritora, jornalista e poetisa. Natural do município de Mamanguape, no Estado da Paraíba, de onde se transferiu ainda jovem para o Rio de Janeiro. Deixou obras em prosa e verso, destacando-se “Varanda: o cotidiano do carioca”, além de livros escritos em espanhol sobre o Chile, onde residiu durante muitos anos. Colaboradora do Jornal do Commercio, integrava a Academia Carioca de Letras (ACL), o PEN Clube do Brasil e outras associações de intelectuais.


© Copyright 2005-2022 Maria Pereira Web - Todos os direitos reservados.
David Elias - (85) 99954-0008